segunda-feira, 30 de junho de 2014

Espero e tu não vens

De que valerá esperar por ti
Se nunca estás aqui ao meu lado
Nem chegas ao cair da noite,
Que adormece no braços das trevas.
Quando chega a primavera espero por ti
Para te mostrar as primeiras flores
As magnólias lá fora e o jasmim nos rebentos das folhas
Quando nascem os cordeiros e a água escorre dos outeiros
E tu nunca vens
Nem chegas quando os pássaros chegam
Nem quando as aleluias entoam no calendário.
Espero por ti e tu não vens,
Quando o sol se levanta nas manhãs frescas de orvalho
Nem vens apanhar cerejas da minha boca,
E olhar as abelhas no banquete doce das tardes quentes de junho.
E nas noites de estio, quando as cigarras cantam e os pirilampos dançam
Nas folhas das amoreiras e dos silvados
Eu espero por ti, pelo doce do teu calor e pela seda do teu olhar,
E tu não vens
Nos campos de trigo onde os gafanhotos saltam,
Adormeço envolta em sonhos e na maciez do feno, sem ti.
E nos degraus xistosos, escavados pela natureza humana
adoço a boca com o néctar das uvas, sedenta de outros licores.
Ao cair do outono, nas tardes que adormecem longas
No romântico vermelho das folhas, escrevo novos versos
Em forma de canções e de lonjuras,
Para me lembrar de ti, para me esquecer de mim.
E tu não vens.
Quando os dias acordam ensombrados
procuro por ti entre as nuvens
E sonho embalada nos teus braços envoltos em algodão.
E o solstício regressa sem ti, e as estrelas renovam-se por ti.
Os pássaros voam para sul e as árvores despem-se como eu para ti
E tu não vens, nem te escondes na sombra das noites longas.
Nem aguardas pelo cantar do cuco, nem pelo degelo das serras
E eu espero pelo agonizar do dia, apenas.
@Maça de junho



domingo, 29 de junho de 2014

Chuva na noite

Fiquei a ouvir as gotas da chuva
Na tranquila noite que avança
Como a ausência de ti.
É saudade, é silêncio desfazendo
O que foi esquecido,
E o que apenas se esquecendo vive.
Não estou tranquila, a noite persiste,
A tua voz não veio serena
serenar o fogo incandescente da ilusão
Que nasce durante as chuvas,
Sob os teus olhos.
Nem a chuva refrescou as flores
No jardim, depois de murcharem.

@Maça de junho
Foto: internet -A lifetime photography

quinta-feira, 26 de junho de 2014

DOR


Tenho a alma a doer
Da dor que se afunda nos cantos

Dor
Da ausência de um rosto,
Nos dias que nascem sombrios.

Não sentir esse abraço apertado na distância
De um sopro em que te vi,
E o insuportável abismo do tempo

Em que não posso beijar-te por dentro.

@Maça de junho

http://youtu.be/Mg2waDuhQp0

Foto: Sarah Moon
A lifetime Photography

Ana María Matute falecío hoy

EL PAÍS: La escritora Ana María Matute, premio Cervantes en 2010, académica y una de las grandes autoras de la posguerra, ha fallecido este miércoles en su domicilio de Barcelona a un mes de cumplir 89 años. Hace sólo unos meses, fue la encargada de entregar la última edición del premio Nadal en su ciudad, donde había nacido el 26 de julio de 1925.
La literatura realista, fantástica e infantil fueron las tres vertientes que caracterizaron su obra con un estilo de aparente sencillez que escondía la complejidad del ser humano. Matute acababa de entregar a la editorial Destino su nueva novela: Demonios familiares, prevista para septiembre.
"Su papel fue relevante en la posguerra desde el punto de vista sociológico, por su condición de mujer que jugó un papel importante al abrirse paso en un mundo machista, y literario al reflejar la realidad a través de líneas duras y poéticas con dosis de ironía", asegura Emili Rosales, editor de Destino.

La traviesa niña Ana María Matute se portaba mal exprofeso para que su madre, en vez de llamarla por el apelativo familiar de Totitos, gritara su nombre real a más no poder y la encerrara en el cuarto oscuro de la casa. Allí, en la falta de luz más absoluta, aguzaba su imaginación, en la que aparecían sobre todo duendes y reyes y niños encantados amigos de hadas con los que forjaría una de las imaginaciones más potentes de la literatura española de postguerra.La tercera mujer que ganó el Cervantes fue capaz como pocas, como pocos, de imbricar en su escritura las indispensables dosis de realismo con un irrenunciable hálito de lirismo. Matute llevó a las librerías novelas de la dimensión de Los Abel(1948), Pequeño teatro (1954, premio Planeta), El río (1973), Olvidado Rey Gudú (1996) y Paraíso inhabitado, su última novela. Con Primera memoriahabía ganado en 1959 el prestigioso Premio Nadal.
Empezó rápida a sacarle rédito a la riqueza de su mundo interior. Nacida en Barcelona en 1925, a los cinco años recordaba haber escrito ya un relato. Se trataba de un niño que llevaba un vestido muy muy largo y al que un duende ayudaba a ajustar; pero entonces, ya ajustado, el niño crecía y la vestimenta quedaba corta… Su cabeza estaba a punto de estallar con tanta historia de los Andersen, Grimm y Perrault, los grandes clásicos, y con las de las criadas, alas que oía escondida debajo de las tablas de planchar. Por eso a los 17 nacía su primera novela, Pequeño teatro, que tardaría mucho tiempo (algo habitual en su manera de trabajar) en dar por acabada y ver publicada, nada menos que como premio Planeta, en 1954. Era la confirmación de un aviso que dio ya con Los Abel, que aparecía en 1948 y que quedó finalista del premio Nadal.
Marcada especialmente por los recuerdos de las bombas de la Guerra Civil, episodio que reflejó siempre desde la mirada infantil porque quizá nunca tuvo otra, sus problemas matrimoniales (se casó en 1952 con el escritor Eugenio de Goicoechea) marcaron tanto su vida como su obra literaria. En este segundo aspecto, la trayectoria fulgurante de una de las mejores voces de las letras españolas de postguerra, que ya llevaba consigo el bagaje del Premio Café Gijón por Fiesta al noroeste (1952), galardón al que siguieron los Premios Nacional de Literatura Miguel de Cervantes y de la Crítica por Los hijos muertos en 1959 (el mismo año en que consiguió el Nadal por Primera memoria, se frenó. No poder ver a su hijo sólo los sábados y no obtener su custodia hasta que Juan Pablo no alcanzó los 10 años después, lo marcó todo, en especial un proceso de divorcio, algo inaudito en la machista y retrógrada España de los 60. El resultado fue que tomó la decisión de irse a EEUU como lectora. Ello explica que en la Universidad de Boston esté hoy buena parte de su legado literario.
Su vida y su obra estuvieron marcadas por  los recuerdos de las bombas de la Guerra Civil, episodio que reflejó siempre desde la mirada infantil porque quizá nunca tuvo otra, y sus problemas matrimoniales (se casó en 1952 con el escritor Eugenio de Goicoechea)
Fue trampeando su situación personal porque, a pesar de todo, fue una mujer dura, a partir de un intenso compromiso personal en lo moral y en lo profesional, Matute nunca ocultó sus preferencias intelectuales e ideológicas. En una entrevista con este diario realizada el pasado verano, confesaba: "Yo siempre he sido de izquierdas, pero no comprometida con ningún partido. Lo que aspiro es al deseo de justicia y a que no me engañen. Ingenua, inocente, soy, pero tonta, no". También se superó en lo literario y con más éxito del que las circunstancias hacían prever. Así, en 1962 cosechó el Fastenrath de la Academia de la Lengua con Los soldados lloran de noche y en 1965 se alzó con el Premio Nacional de Literatura Infantil Lazarillo por El polizón de Ulises. En los ochenta fue distinguida con el Premio Nacional de Literatura Infantil por Sólo un pie descalzo (1984), tras la que siguió un angustiante silencio motivado por una fuerte depresión de la que no estaba muy alejado el alcohol.
Una fuerza de superación notabilísima, su riqueza interior sin igual y el apoyo de su círculo más cercano, sobre todo de su hijo y del staff de su agencia, Carmen Balcells, hizo que lentamente remontara. El año mágico fue 1996, cuando coincidieron la edición de su majestuosoOlvidado Rey Gudú, bello cuento de hadas que se convirtió en una de sus obras de más éxito y, sin duda, la volvió a poner en primera línea en las librerías, y su elección como miembro de la Real Academia Española de la Lengua para ocupar el sillón “K”, institución en la que ingresó dos años después con un discurso muy de su mundo fantástico, En el bosque. Se convertía así en la tercera mujer en ocupar una silla en la alta cámara de la lengua.
Fue un renacer. Aranmanoth (2000), otra obra de corte medieval y, sobre todo, la edición dos años después de sus Cuentos de infancia, recopilación de nueve cuentos e ilustraciones que Matute escribió cuando tenía entre cinco y catorce año, parecieron quitarle, como ratificó el Premio Nacional de las Letras Españolas en 2007. Ni su hospitalización, en febrero de 2008 a consecuencia de una fractura de tibia, frenó su ansia escritora, entonces centrada en la hasta ahora su última novela, Paraíso inhabitado. La culminación a todo llegó hace tres años, en 2010, cuando obtuvo el Premio Cervantes. “La Literatura ha sido, y es, el faro salvador de muchas de mis tormentas”, reconoció, como gran verdad de su vida, en el discurso de aceptación.
En 1996 volvió a la primera página. Fue el año mágico en que coincidieron la edición de su majestuoso Olvidado Rey Gudú, bello cuento de hadas que se convirtió en una de sus obras de más éxito  y su elección como miembro de la Real Academia Española de la Lengua para ocupar el sillón “K"
Desde entonces fue arrastrando, por culpa de los inevitables achaques de la edad que aun así no le impidieron entregar el pasado enero la última edición del premio Nadal, una nueva novela Demonios familiares, que entregó a su editor, Emili Rosales hace poco y que Destino publicará en septiembre. En verdad, con ella se va uno de los últimos escritores esenciales de los años 40 y 50, en especial mujeres, tras la muerte de autoras como Carmen Laforet, Ana María Moix, Esther Tusquets y Carmen Martín Gaite.
La ya novela póstuma transcurre en 1936, inicio de la Guerra Civil, y está protagonizada por una joven en un mundo de amor, traición y sentimientos confusos. El escenario es una ciudad castellana. Una obra, dice su editor, "en la cual ella trabajó animadamente". Aunque dijera que “nunca ha escrito una sola línea autobiográfica”, la mayor parte de sus obras no estrictamente fantasiosas tiene jirones de su piel y de esas historias que le contaba a Gorogó, su muñeco de tez negra que, pacientemente hasta ayer mismo, fue desde los cinco años el primer receptor de su imaginación ya inmortal.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Mensagem

Há pessoas assim, com quem trocamos histórias e mensagens, cumplicidades e sorrisos, momentos comoventes e com papéis repletos de palavras. O efeito secundário, há muito descrito na literatura das relações, é este: fica-se amigo da pessoa, sem volta a dar… Que este dia seja fantástico, Alda, pois bem merece! E que repita muitas vezes, para escrever muitas histórias em 77 palavras e trocar mensagens e sorrisos comigo. Combinado? Bolas, já não dá para nada… cheguei às 77!
Margarida Fonseca Santos, Lisboa 
Publicado no blogue: histórias em 77 palavras

Agradecer é apenas um lugar comum. Escrever algo bonito pelas palavras expostas, é difícil pela qualidade e pela vastidão do sentimento incluído. Apenas me resta procurar outros poetas que tenham palavras suficientes para dizer sobre a Margarida aquilo que os amigos pensam:

Começando por Sophia de Mello Breyner:
«Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma»

Tomando o recado aos amigos da Cecília Meireles:
«Por mais que longe pareça, 
ides na minha lembrança, 
ides na minha cabeça, 
valeis a minha Esperança»

E as palavras de Eugénio de Andrade: 
«Os amigos amei
despido de ternura
fatigada; »

Tomando a reflexão de Tolentino de Mendonça:
«Qual será o verdadeiro nome da amizade? E é possível a amizade ser nomeada? A amizade é um sentimento forte e intenso, sem deixar de ser uma experiência discreta, sempre singular no seu registo, quase quotidiana, na sua expressão. Ela constitui um património humano sem o qual a nossa vida não seria a mesma ou simplesmente não seria.»

@Maça de junho

Foto: Zoltan Koi

Desassossego

Caiu no chão desamparado, como uma folha amarrotada, hoje como ontem. Toda a vida fora um joguete daquele anjo de mãos cruéis. É psicológico, vão-lhe dizendo quando comete a inconfidência de ser confidente. As suas fraquezas soçobram invariavelmente às mãos daquela a quem entregou a vida e a dignidade em troco do amor eterno. Agora sem amor, nem saúde para levar a vida, resta-lhe dignificar o nome que o tortura. Escreve livros. De amor? Não… de amargura!

Usando a imagem de uma folha amarrotada, um história em 77 palavras, publicada no blogue: 

@Maça de junho


terça-feira, 24 de junho de 2014

Cascata de S. João



A cascata do Jardim-Escola João de Deus, Porto pela segunda vez consecutiva e na categoria "inferior a 15 anos" vence o concurso de cascatas de S. João levado a cabo pela Câmara Municipal do Porto. A reportagem passará no Canal 2 - RTP esta quarta-feira (25 de Junho) no programa Agora transmitido às 21:30 horas
De realçar que se trata de uma construção elaborada por crianças do primeiro ciclo e infantil, de idades entre os 3 e os 10 anos de idade.

A elaboração da cascata contou com o apoio da comunidade escolar e de trabalhos feitos pelos próprios alunos: nomeadamente sardinhas sobre uma folha de papel decoradas com materiais reciclados.
Na foto a sardinha do aluno cá de casa, que frequenta o 2º ano. Toda de escamas as quais foram feitas com a colagem de pequenas tiras de papel de estanho, retirados dos blisters de medicamentos usados (comprimidos e cápsulas)


Os nossos filhos são flores que cultivamos para nossa alegria, para nos preocuparem de vez em quando e para vermos desabrochar a cada passo que dão no seu crescimento


Foram também usados na construção desta cascata os materiais didáticos que a Escola e o Método João de Deus usa na sua pedagogia. Os dons de Froebel, construções didáticas, desenhos e materiais reciclados diversos.
Foto: Maça de junho

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Futebol é o mundial e o resto?

Escrevo antes do jogo decisivo para Portugal. Não tenho previsões. Aliás, não me interessa muito saber do resultado. Nem deste, nem dos restantes jogos do mundial. A mim apenas me interessa o futebol como desporto, e no desporto existem outras modalidades que me interessam tanto ou mais. E das quais a comunicação social não gasta os seus recursos a noticiar ou a promover. Mas o futebol move montanhas de dinheiro e de adeptos, isso bem o sabemos. Em cada um de nós há um seleccionador, um avançado que marca em qualquer situação, um defesa que está atento em todas as jogadas, um guarda redes capaz de defender qualquer lance. Só é mesmo pena que sejam outros os convocados que teimam em não nos ouvir nos momentos decisivos. 
Vi apenas um jogo neste mundial (Alemanha-Gana). Vi um bom jogo de futebol, que é o que me interessa. Não vi nenhuma armada invencível na Alemanha, nem vi nenhuns pequenos Africanos.
E se Portugal regressar no fim da primeira fase, não será motivo para uma nova crise em Portugal, nem para novas medidas de austeridade, que essas existem apenas para os funcionários públicos. 
Mas o regresso  das cores lusas no final da primeira fase sem louros nem glórias será uma machadada fatal no orgulho nacional tão necessitado anda de algo que eleve a moral. 
E a campanha por terras de Vera Cruz não se apresenta fácil, como não se apresentou em "dar ao mundo novos mundos"  remontando ao seu achamento, a crer na carta de Pêro Vaz de Caminha, nos idos de 1500.
Agora não serão os Jesuítas, nem a avareza pelo ouro e prata, a julgamento serão o Pepe, pelas patetices que faz nos momentos cruciais. Esquecendo que já foi responsável por um europeu extraordinário, mas que cai em desgraça de quando em vez, lembrando que não é dos nossos. É um desenraizado! Mas caiu em desgraça apenas porque Portugal perdeu o jogo. Se tivesse ganho, ninguém teria reparado na atitude. 
Embora não servindo de justificação, veremos que as equipas da velha europa regressarão sem honras nem glória (Itália, Espanha para inicio de contagem). Agora também já ninguém se lembra da vergonhosa França no mundial de Africa do Sul, que juntou em campo um grupo de arruaceiros e um treinador desautorizado. 
É bom de ver que se trata de um campeonato onde vão brilhar os grupos da América Latina e os Africanos com garra, no palco onde precisam de ser idolatrados, para ganharem o passaporte para a velha europa, decadente, mas que ainda dá contratos milionários, dadas as condições atmosféricas, a preparação e a resistência física e a envolvente psicológica. Os europeus, esses aproveitam apenas para uns dias de sol e para passearem as suas imagens de marca e as marcas que os patrocinam pelos aeroportos brasileiros. 
Boa sorte Argentina, Croácia, e Costa Rica. 
@Maça de junho

http://youtu.be/9jjhTcwI3hM

domingo, 22 de junho de 2014

Carpe Diem


Um dia algo se esfuma
É o ocaso de um trabalho
No novelo que não tem mais linha
Tu já realizaste as tuas metas
cresceste, fracassaste, sorriste e choraste até
Tiveste sucesso e deste a volta para vencer
Viveste e procuraste novos desafios
Que dás por terminados agora
Mas se encostares o teu coração no teu ombro
Vais perceber que ainda tens muito para conquistar
Há novos desafios que te esperam
Na tua frente desponta algo grandioso, ousado
Porque o que importa agora é aproveitar o novo dia 
Viver cada instante como sendo único
Faças o que fizeres
As vezes que precisares
O importante é o que farás daqui em diante
Encontra motivos para seres feliz
Para construir novos projectos 
Criar novas propostas e motivos 
E amanhã sentires que o passado valeu a pena
Vive e aproveita o dia nem que seja só hoje ...

28 Maio de 2013
@Maça de junho

Foto:internet

Visita ao Planetário

Hoje aprendeu  a orientação pela estrela polar, viu o céu nocturno, percebeu a organização do sistema solar nos seus pontos mais relevantes e terminou a fazer a pergunta porque é que ainda ninguém tinha viajado até Marte. Adorou. Já quer regressar, mas agora para assistir à sessão dos adultos. Voltaremos em breve. São os nossos programas preferidos. A busca da ciência, do desconhecido, do que obriga a refletir e a pensar para ter uma resposta. 
A mim distrai-me. Esqueço o que me aflige. Dou comigo a rir. Divirto-me com as suas preocupações, preocupo-me com as suas irrequietudes. É uma espécie de simbiose. 
Ser mãe é dificil. É muito difícil decidir tudo, sobre tudo, sem haver partilha, nem divisão de responsabilidade, nem outra metade para segurar a mão, limpar a lágrima, abraçar apertado. Tantas horas a refeltir sobre o melhor, sem saber o que é o melhor. Ser assertivo não é nada fácil, decidir é um peso enorme. 
O caminho que se escolhe tem sempre pedras para afastar, nele crescem sempre cardos, mesmo no meio das rosas há ervas daninhas. Preciso continuar a cultivar as minhas rosas, sem perder a atenção ao que nos rodeia.



Imagem do filme que passa na sessão infantil do Planetário


Foto: Lanche depois das emoções vividas no planetário e no conhecimento que a astro-fisica lhe provocou. Uma fome imensa!


A nossa "menina" absorvendo o aroma das gardénias, que se abrem numa explosão de suave perfume e textura aveludada no branco puro que ao amadurecer vai escurecendo desde o pérola ao creme da baunilha








sábado, 21 de junho de 2014

Horas

É imenso e é intenso como o mar
E como o aroma do perfume que incendeia

Apanho os cacos
Que transformo em lindas cestas de saudade

E as migalhas que esfrangalhas vão caindo.
São ternuras com que teço finos panos.

Neles envolvo emoções
Seco as lágrimas

Na cortina que protege novo dia
Outras horas ...

Foto:internet

Marear sem ondas

Em tupi-guarani moara significa nascer. E todos os dias se nasce, quando se sente o sabor da amora silvestre no amor como aroma da vida. Com o andar do tempo aprende-se a nadar, mesmo quando vem a onda danar o pé. Na orla da maré, pelo estreito e ralo coador dos sonhos há uma imensidão de areia, vista ora como obstáculo, ora como esteiro de corpos abandonados à rola, sem ninho nem cama. À mercê das ondas.

Desafio: escrever história em 77 palavras usando 3 pares de anagramas, pelo menos. Eu escolhi estes:
Moara, amora, aroma
Nadar, andar, danar
Rola, ralo, orla

Nota: abandonado à rola significa ao sabor das correntes
@Maça de junho

Desafio publicado em: http://77palavras.blogspot.com/ 
Foto: Maça de juho @

sexta-feira, 13 de junho de 2014

O último pássaro voou

Quando a lua se ergue, branca, pálida no céu azul
E na luz do dia adormecem os pássaros
É neste silêncio que me abraço, e me encontro
Longe das trevas que a terra encerra.
Para não mais voltar ao teu chilrear
Deixar ir o sonho nas asas do vento
E nem assim a dor passaria!
@Maçãdejunho

Foto:internet

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Seja você quem for 
agora segurando minha mão, 
sem uma coisa há de ser tudo inútil 
- é um leal aviso o que lhe dou 
antes que continue a me tentar: 
não sou aquele que você imagina, 
mas muito diferente. 

Quem é que gostaria 
de vir a ser um seguidor meu? 
Que é que gostaria de lançar 
sua candidatura ao meu afeto? 

O caminho é suspeito, 
o resultado é incerto, destrutivo talvez; 
teriam que abrir mão de tudo mais 
tendo eu a pretensão 
de ser seu padrão único e exclusivo; 
sua iniciação haveria de ser ainda assim 
extensa e fatigante, 
toda a teoria da sua vida passada 
e toda conformidade com vidas em redor 
precisariam ser abandonadas; 
por isso deixe-me agora 
antes de perturbar-se ainda mais, 
deixe cair sua mão do meu ombro, 
coloque-me de lado e siga seu caminho.
Walt Whitman (Leaves of Grass)


Foto:internet

domingo, 8 de junho de 2014

Quando o sonho se perde




«Ao longo da estrada passeiam as pequenas formigas
Que levam na carga o sustento
Mais pesada que o corpo que as segura
São despojos de outras vidas
Largadas em contra mão
Sementes que não germinaram
Lançadas sem generosidade nem afecto
Apenas encontraram o agreste da paisagem
Tal como a minha alma, 
Quando abre a página em branco que tu lhe deixaste
E o sonho se perde.»

@Maça de junho, a publicar

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Testamento


Quando eu morrer
Não chores de saudades
Sorri antes quando lembrares da nossa alegria juntos
Entre nós nada foi triste, nem dificil
Foi assim uma espécie de orgasmo continuado
pelo prazer que sentíamos com o outro
pelas sensações vivas que provocávamos nos corpos e no espírito
até quando realizávamos o irrealizável noutros corpos.
Quando as saudades apertarem lê o que te deixei escrito
e o que te escrevia nas longas noites de solidão.
Quando estavas sempre ao meu lado,
mesmo se te sentia ausente de mim.
Nunca deixei esmorecer a coragem nem a ternura 
que cada palavra significava.
Mas agora que tudo teve um fim, 
deixo-te a minha alma escondida, porque
apenas tu sabes onde ela se esconde e o que nela se esconde
Deixo-te tudo o que me ensinaste, e tudo o que aprendeste ensinando-me,
também te deixo o meu mural, que a bem dizer era quase só teu.
E o blogue que criei para não morrer de amor e foi lá que escondi o teu.
Deixo-te as vergastadas que o meu corpo recebeu e as dores que a alma guardou
Deixo-te as lágrimas vertidas nas noites frias
e aquelas que guardaste no teu coração. 
Foram tantas, e tu tudo soubeste aguentar.
Sem um queixume empurravas-me para cima,
quando eu me esquecia que também tinhas tristezas encobertas.
Deixo-te mais rico, eu sei
Também eu vou enriquecida.
Bens materiais tenho poucos. Deixo-te os livros que quiseres.
Escolhe-os. E os meus cadernos, são teus. Lá está tudo o que sou e o que era
Lá também está tudo o que fomos.
O mais importante de mim, está nesses cadernos.
Também te deixo uma garrafa de vinho, ou duas ou mais.
Todas aquelas que não chegamos a abrir para brindar um sucesso dos teus.
De mim apenas tínhamos para brindar, derrotas.
Deixo-te a amizade da família e a admiração de uma criança.
O quanto pessoas especiais podem reconhecer.
Deixo-te as palavras que te dediquei e aquelas que não cheguei a escrever
Deixo-te as horas e horas de conversas, de confissões, de desabafos, de promessas
de sonho e de insónia.
Fica com toda a doçura que me encontravas, com o carinho que te guardava
com a ternura com que te olhava, com o desejo que te sentia, com o ciúme que escondia.
Fica com as flores de magnólia perfumadas, e com as rosas do jardim.
Leva contigo as orquídeas sinal de pureza e elegância que tanto aprecias
e que elas tanto significam, as orquídeas.
E se as buganvílias estiverem floridas abraça-as como se fossem eu.
Vai ver os jacarandás e manda-lhes lembranças minhas.
E as gardénias guarda-as junto com o meu desejo de viver
Para sempre tua,
A minha doçura e o meu sentido da vida

@maçadejunho



quarta-feira, 4 de junho de 2014

Jorge Palma

Parabéns Jorge Palma! No dia em que completas 64 anos, partilho a tua música. Aquela que levaria comigo se tivesse que escolher apenas uma música. Hoje para te homenagear deveria escutar todas as tuas músicas, mas tu sabes que isso é impossível. Tens tantas gravações e concertos e espetáculos que precisaria de vários dias. 
Sabes, certamente que sim, ser esta Maçã de Junho, a minha preferida, aquela que gostaria que alguém tivesse escrito para mim!
Foi esta música que me levou a dar o nome a este blogue, que entre outras coisas é também uma homenagem ao homem que canta, ao poeta que escreve, ao amante platónico de tantas adolescentes dos anos 80. Sim, foi nessa altura, quando adolescente, te descobri, que de imediato me apaixonei pela tua voz, pelas letras das tuas canções, pelo teu lado boémio, pelo teu ar de menino triste, pelo homem safado que mostravas nas entrevistas. Depois cresci, e tu amadureceste mais. Tornaste-te um Senhor, e eu tornei-me uma jovem mulher. Nunca nos conhecemos, nem sabes de mim. Mas eu já dormi a sonhar contigo, já acordei para sair à rua ao teu encontro. Nunca tive coragem. Agora também já não sou a rapariga apaixonada por ti. Mas continuo a admirar-te. Continuo a sentir o coração bater mais depressa quando oiço a tua voz. Seja a chamar pela Estrela do Mar, seja a cara de Anjo Mau a olhar-me, serei tua admiradora incondicional. Parabéns Palma!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

domingo, 1 de junho de 2014

Apenas a palavra

Vem no Le Monde de 30 de Maio o artigo que me levou a refletir sobre este estado de coisas e sobre a forma como a comunicação é feita entre a política e os cidadãos. Cidadão a cada dia mais ausentes da decisão política, pelo egoísmo dos próprios políticos, pela incapacidade que têm em motivar o seu eleitorado, em renová-lo, tudo porque baseado em discursos mentirosos, falhados, já testados e sem coerência na vida pública. Já não há Estadistas, diz com alguma frequência um amigo, e com razão, talvez. Cada vez mais se constata que são políticos que se servem da causa publica e não ao serviço dela. NAs palavras de outra amiga, são mesmo incompetentes. Eu cá por mim ainda duvido, se o problema está na forma gasta ou no conteúdo vazio, oco de projectos, de ideias, de capacidade inovadora e de criatividade. O pior de tudo é quando o nacionalismo invade o espaço político desta forma, aproveitando as falhas e sabendo bem a forma de como interagir com as pequenas comunidades e aos poucos interagindo e ganhando o seu espaço e a sua base de apoio.
Normalmente nos grupos jovens, com elevada instrução, mas politicamente analfabetos, são jovens sem emprego, sem perspectivas de futuro e sem partidos "democráticos" que lhes apresentem soluções.
Há três sintomas presentes no nacionalismo:  
1 A inveja dos outros, que rapidamente leva ao ódio, e esta inveja nasce do exito económico e profissional daqueles que conseguem superar, e é conseguida por meia duzia de frases sonantes,  e sem conteúdo, mas que permite inflamar ódios latentes. 
Um exemplo rápido são os funcionários públicos, com trabalho, remuneração acima da média, prestigio, regalias, etc...uns protegidos da lei.
2 a ignorância política  e da organização do sistema político, abre caminho a criar nestes grupos uma visão anarquista/nacionalista e o endeusamento daqueles que lhes chegam ao ouvido com palavras de ordem, facilmente gritadas e apreendidas. 
3 Os medos e as incertezas económicas levam ao nacionalismo económico, uma bandeira deos tempos e crise, com o argumento da proteção ao que é nosso, caindo por terra o conceito da globalização e da abertura dos mercados. E isto até o Sr. Sarkozy se fartou de apregoar nas ultimas legislativas.
Criando um reduto de pólvora, depois basta deixá-la fazer o seu caminho...
E em queda o liberalismo de Marshall,  e "os amanhãs que cantam" da desregulamentação dos mercados, e do mítico bem estar colectivo das políticas de Keynes, acaba por ser um "pasto" atraente para as teorias nacionalistas e de protecionismo.


ttp://www.lemonde.fr/idees/article/2014/05/30/seule-la-parole-pourra-defaire


As crianças somos todos nós


São as crianças que nos dão a inspiração de pais, e nos fazem suspirar pelo azul do céu, como os pássaros quando voam mais alto, elas que trazem o céu nos olhos e a esperança no coração. São elas, as crianças que quando nos abraçam nos fazem sentir no peito como que se de dentro de uma caixinha se soltasse a melodia da música. São elas as crianças que nada exigem e que estão sempre prontas a entregar-se em troca da ternura que lhes embeleza os dias. E se nós pais, professores, educadores, amigos da infância não compreendemos esta singularidade também não saberemos realizar a nossa vida nos valores humanos, nos fundamentos do bem social e familiar, na educação dos valores primários e na cultura dos afetos. Não seremos capazes de ver a beleza para além do sofrimento, não encontraremos a justiça para além das dificuldades da vida, porque já deixamos de ser crianças dentro do nosso coração. E para tudo isto, não é preciso dinheiro, nem viagens, nem actividades extra-curriculares, nem inscrevê-los no piano, e no hóquei, e no futebol, e  no instituto de línguas. Apenas precisamos deixá-los ser crianças e brincar. E brincar com eles. Quando me perguntam o que faz o meu filho ao fim do dia, e ao fim de semana eu invariavelmente respondo: - brincou! Há amigas e mães que mais ou menos disfarçadamente repetem: - E os trabalhos de casa? Ao que eu respondo: - não tem! Não insistem, mas pelo olhar já me crucificaram (não presto)! Só que elas não sabem, e eu também não me apetece dizer-lhes, que não compreenderiam. O meu filho brinca. Brinca comigo. E eu brinco com ele. Jogamos à bola no terraço, enquanto a sopa ferve, jogamos trivial ou ao enforcado, enquanto descasco as batatas, vamos ao facebook fazer “carinhas sorridentes”, como ele diz, nos post’s dos amigos, ouvimos música, vemos televisão e dormimos abraçados, quantas vezes!
Para tudo isto, apenas precisamos de uma coisa. Tempo. Tempo para estarmos juntos.
E a minha carreira profissional e os tratamentos de beleza e as saídas e viagens com amigos? Não tenho tempo! Para este tempo precisaria ter dinheiro, que é caro!
O tempo, o tempo, esse é gratuito!

Sejam felizes e deixai as vossas CRIANÇAS SEREM FELIZES!